10.12.10

Igreja, Política e Manipulação



Após as eleições presidenciais de 2010, sobretudo depois do segundo turno, os ambientes evangélicos, assim como os católicos, tornaram-se ainda mais inóspitos aos homossexuais.
Alguns amigos muito queridos, manipulados por lideranças cristãs, encaminharam-me e-mails que convocavam os cristãos para uma cruzada contra o aborto e a união civil homossexual, personificados na pessoa da candidata indicada pelo Governo Federal, ao mesmo tempo, lideranças evangélicas e católicas deram as caras no programa eleitoral gratuito da oposição. É intrigante como esses e-mails só aparecem nas vésperas de eleições.

Se o termo “cristão” já era sinônimo de intolerância, alienação e radicalismo, depois das eleições essa imagem se fortaleceu ainda mais.

Para mim é vergonhoso estar inserido nesse contexto político-religioso. De forma alguma me envergonho do Cristo ou de seu evangelho. O que considero vexatório e asqueroso é a manipulação religiosa, com fins políticos e que promove o ódio aos homossexuais.

É bom lembrar que as mesmas lideranças cristãs que hoje apoiam determinado candidato em nome da não legalização do casamento gay, é a mesma liderança que se calou diante das atrocidades cometidas pela ditadura instituída pelo golpe de 1964.

Além de não denunciar as torturas e assassinatos cometidos pelos militares, os evangélicos apoiaram e receberam apoio do governo que “salvou” o país do comunismo. Enquanto Fidel Castro, que executou muitos em praça pública era denominado pelos crentes de "enviado do Diabo", os ditadores brasileiros, que mataram tanto quanto, eram vistos pelos evangélicos como os enviados de Deus que mereciam respeito, honra e obediência.

Atualmente, enquanto as igrejas evangélica e católica se posicionam politicamente, a quantidade de homossexuais dentro da igreja aumenta exponencialmente, e os gays que já saíram da igreja sentem cada vez mais aversão ao cristianismo.

Em contraposição, o Cristo descrito nos evangelhos atraía os moralmente excluídos do sistema religioso de sua época. As mesmas meretrizes, leprosos, samaritanos e cobradores de impostos que evitavam os carolas mais ortodoxos, sentiam-se a vontade na companhia de Jesus.

A missão da igreja é transformar a sociedade. Entretanto, não concordo com a imposição da religião, seja pela violência ou pela força da lei. Toda transformação que não nasce do amor não é digna do Cristo.