26.1.10

Meus 26 Anos


23 de Janeiro de 2010.

Nunca dei muita bola para os meus aniversários. Não via muito sentido em festas e presentes.

Contudo, o cumprimento dos meus 26 anos foi muito diferente. Minha namorada e minha mãe estariam viajando e meu pai estaria no trabalho. Assim combinei com alguns amigos um encontro no Açaí do Taboão as 18:00h.

Chovia muito quando acordei e logo me dei conta de que estava sozinho em casa. O tempo não passava e a cada telefonema meu coração saltava de alegria.

Passei a manhã lendo meus poemas favoritos ao som das canções prediletas. Entre um verso e outro relembrava episódios marcantes da minha história.

Gradualmente foi crescendo um sentimento muito agradável de gratidão. Deitado em minha cama, senti lágrimas quentes rolarem pelo rosto enquanto agradecia a Deus pela minha família, amigos, pela minha namorada (que me emocionou com as flores que mandara entregar naquela manhã), por meus alunos e pela dádiva de ter uma vida normal após meu acidente de carro, do qual escapei milagrosamente de uma morte eminente em 11 outubro de 2008.

Revivi num relance aqueles longos segundos em que meu carro trepidava violentamente entre os asfalto e o para-choque da carreta. Respirei profundamente e levantei-me para atender o telefone.

Minha Nona, uma antiga amiga da família que me tratou a vida inteira como um neto, telefonou para avisar que tinha um bolo a minha espera em sua casa.

Chegando lá, ela, o Nono, seu filho, nora e neta cantaram o “parabéns pra você” mais tocante de toda minha vida. Fui tocado pelo carinho deles e com certeza nunca esquecerei aquela tarde.

Mais tarde no Açaí fui surpreendido pela presença dos formandos de 2008. Uma turma que tirou o sossego dos inspetores, diretores e principalmente dos professores do Alvorada por quatro anos. Eles foram minha primeira turma (2005) e nesses anos partilhamos momentos inesquecíveis. Meu caráter formou-se ao lado dessa turma que é a mais unida e inconformada com a rotina escolar que já vi. Além deles, compareceram grandes amigos como o Luciano, o Jorge, os Laureno, a Tuca, o Cainho entre muitos outros.

Aprendi nesse último 23 de Janeiro que cada aniversário é um ótimo pretexto para fazer o que deveríamos fazer todos os dias do ano: Passar um tempo a sós sem deixar de festejar a vida com aqueles que amamos e nos amam; Repensar a vida sem deixar de viver intensamente a mesma; Chorar e sorrir; Sentir saudades e gratidão; Ler poesia, ouvir música, sonhar acordado e principalmente dar muitos abraços.